O SENTIDO DA PÁSCOA

A cultura judaico cristã na realidade celebra duas páscoas, ou atribui significados diferentes para dois eventos supremos; O primeiro ocorreu no antigo testamento simbolizando a libertação do povo hebreu...

Geral
Por: Colunista Geral
IMG-20180331-WA0083

A cultura judaico cristã na realidade celebra duas páscoas, ou atribui significados diferentes para dois eventos supremos; O primeiro ocorreu no antigo testamento simbolizando a libertação do povo hebreu do cativeiro egípcio. Este evento liderado por Moisés foi a primeira Páscoa e demarcou a Passagem da escravidão para a libertação. Um povo que gemia sob as algemas das estruturas faraônicas, agora recebe apoio divino e pode livremente caminhar rumo a terra prometida.  O segundo evento,  ocorre com um descendente deste mesmo povo, o Jesus de Nazaré, também chamado o Cristo filho de Deus e também descendente da linhagem dos patriarcas bíblicos; sua paixão, morte e ressurreição pode ser chamada de Segunda Páscoa. Todavia enquanto o povo judeu celebra apenas a primeira, visto que ainda aguardam a chegada do Messias, os cristãos, por sua vez celebram as duas, sendo a segunda o complemento da primeira e por sua vez mais importante pois complementa tudo o que foi dito pela Lei e os profetas . Se na primeira páscoa celebra- se a libertação do cativeiro material ou do corpo, na segunda temos a libertação do corpo espiritual, ou seja da alma. Com Moisés aprendemos que sempre devemos lutar pela liberdade e por uma vida melhor; E ele nos mostrou que isto é possível a partir do momento em que se confia no poder divino. Este poder se manifestou em forma de justiça que conduziu à liberdade aqueles que sofriam sob o peso do jugo da perversidade do poder,  ou seja, os mais fracos. Já a simbologia da segunda páscoa possui uma profundidade maior; a passagem aqui não é apenas de um lugar para outro, ou uma fuga para longe do inimigo. A promessa desta páscoa transcende tudo o que a história humana jamais tinha visto, que é da libertação da própria morte. O faraó egípcio tinha o poder de oprimir qualquer povo que caísse sob seu domínio, mas nunca teve poder sobre a morte. Nem mesmo Moisés, o grande profeta e libertador  conseguiu escapar da morte. O próprio Cristo também passou pela morte, mas ao contrário de todos conseguiu vencê-la. A este evento chamamos ressurreição, o qual representou a passagem da imperfeição e da morte para a perfeição da vida que não morre jamais. O segundo evento consequência deste foi a Ascensão. Num corpo sutil transcendente e transformado pela Divina Presença,  o Cristo se tornou no mestre ascensionado e sem mácula ancorado na mesma perfeição de Deus Pai. Este sacrifício da própria vida realizado por Jesus em prol da salvação de todos podemos chamar de Amor, ou Amor Divino. Por isso a síntese do Antigo Testamento pode ser descrito numa palavra chamada Justiça, enquanto que o novo Testamento a partir de Cristo pode ser resumido numa palavra , Amor. Por isso justiça e amor devem permear a verdadeira conduta de todos que procuram viver em sintonia com as leis divinas. Que esta páscoa seja a passagem para o mundo dos bons e dos justos, iluminados pela Luz do Amor maior, pelo Amor do mestre Jesus!!

 

José Pedro Idalino

Eu sou o professor Jose Pedro Idalino, e sou natural de Turvo, filho da capital Turvo Baixo. De 1979 a 1985 fui seminarista da Ordem dos servos de Maria. Me formei na PUC do Paraná em 1987 com licenciatura em Filosofia e bacharelado em História e psicologia. Iniciei minha carreira de professor, começando no Pedro Simon em Ermo depois Jorge Shultz e colégio estadual de Turvo atual EEB Joao Colodel, no qual estou a 29 anos e hoje atuo na direção do Colégio pela segunda vez. Trabalhei como professor também em escolas particulares como Objetivo, Energia e Universidades como Unisul, Unibave e Unesc. Na Unesc fiz pós graduação em História e Mestrado em Educação. Atuei como professor por 15 anos em cursos como História, Matemática, letras, arquitetura, enfermagem, Artes visuais, Psicologia, Engenharia de materiais, Pedagogia, Administração comercio Exterior e Direito.