O grande desafio: aprender e mudar

Há uma grande diferença entre os homens e os animais; estes pelo capricho da natureza já nascem sabendo, enquanto nós humanos nascemos ignorantes em tudo, porém com capacidade de...

Geral
Por: Colunista Geral
IMG-20180121-WA0056

Há uma grande diferença entre os homens e os animais; estes pelo capricho da natureza já nascem sabendo, enquanto nós humanos nascemos ignorantes em tudo, porém com capacidade de aprendizado. Se por um lado os animais nascem prontos e isso parece bastante vantajoso, por outro lado os humanos estão condenados a lutar pelo conhecimento e pela sobrevivência. E este fato por sua vez faz com que o homem evolua sempre enquanto o animal por nascer pronto está fadado a não evoluir. Desta forma o que era uma tragédia, acabou por ser um motivo pelo qual o homem se tornou soberano entre os animais vindo a dominá-los juntamente com a natureza. A aparente supremacia do animal ao nascer comparado com os humanos, logo é derrubada por duas características humanas essenciais: “o ato de aprender, e o ato de se adaptar”. O ato de aprender leva o homem a produção de teorias as quais poderão ser assimiladas e aperfeiçoadas pelas gerações futuras; e o ato de se adaptar a qualquer condição por mais extrema que a natureza lhe apresenta, coloca o homem em superioridade frente aos animais. Assim estamos assistindo milhões de espécies que vão se extinguindo porque já não encontram seu habitat natural, enquanto o homem se utiliza de seu conhecimento para enfrentar os desafios e assim sobreviver.Tudo isto colocou o homem como rei da criação, cumprindo o mandato bilblico do “crescei- vos multiplicai-vos e dominai a natureza”.
Segundo o escritor norte americano Deepak Chopra, o renomado físico e pai da teoria da relatividade, Albert Einstein desenvolveu três forças e evitou três obstáculos afim de adaptar-se ao desconhecido e desafios inesperados. As três forças seriam:”deixar pra lá, ser flexível e manter a calma”; enquanto os três obstáculos à adaptação seriam: “apego a velhos hábitos, manutenção das mesmas condições e estagnação. Desta forma seguindo a lógica de Einstein a capacidade de adaptabilidade de uma pessoa poderia ser medida, pela maneira como ela deixa pra lá, é flexível e mantém a calma diante das dificuldades. Por outro lado suas dificuldades de adaptação poderiam ser avaliados pela predominância de velhos hábitos e costumes que o mantém paralisada frente aos desafios da existência. Desta forma rompendo com velhos hábitos de pensamento que cercavam seus estudos Einstein mantendo a serenidade permitiu que novas soluções surgissem através de um método nada convencional, através dos sonhos e da intuição. Assim após muito estudo ele se utilizava do grande silêncio, e de forma assombrosa as respostas brotavam de possibilidades desconhecidas, da própria sabedoria do universo. Para seguirmos a trilha de Einstein, Deepak Chopra nos coloca algumas recomendações, as quais se colocadas em prática, nos ajudariam imensamente no processo de adaptação:
“-Pare de repetir o que nunca funcionou
-Recue um pouco e peça uma nova solução.
-Pare de lutar no nível dos problemas, a solução nunca está lá.
-Trabalhe sua flexibilidade; não se preocupe com o outro.
-Quando as velhas tensões aparecerem, afaste-se.
-Veja a raiva justificada como ela realmente é;raiva destrutiva disfarçada para parecer positiva.
-Reconstrua os laços que foram perdidos.
-Aceite um fardo do que acha que merece.
-Deixe de brigar tanto para ter razão. No final de contas, ter razão não significa nada perto de ser feliz”.
Segundo Chopra, seguir estes passos permitirá ao nosso cérebro abrir espaço para a mudança e assim bloquear pensamentos e emoções negativas.
Talvez neste momento um universo inteiro esteja conspirando para que efetuamos a mudança necessária. Mudança esta que significaria um salto quântico no processo de evolução humana: que seria a saída do velho paradigma da dominação do homem sobre o homem e a natureza, para o novo paradigma da convivência solidaria entre o homem e a natureza, uma escolha pela vida e não mais pela morte e destruição!! Saibamos escutar nossos mestres!!
(Fonte de pesquisa: Deepak Chopra, Einstein,Rudolfh E. Tanzi)

José Pedro Idalino

Eu sou o professor Jose Pedro Idalino, e sou natural de Turvo, filho da capital Turvo Baixo. De 1979 a 1985 fui seminarista da Ordem dos servos de Maria. Me formei na PUC do Paraná em 1987 com licenciatura em Filosofia e bacharelado em História e psicologia. Iniciei minha carreira de professor, começando no Pedro Simon em Ermo depois Jorge Shultz e colégio estadual de Turvo atual EEB Joao Colodel, no qual estou a 29 anos e hoje atuo na direção do Colégio pela segunda vez. Trabalhei como professor também em escolas particulares como Objetivo, Energia e Universidades como Unisul, Unibave e Unesc. Na Unesc fiz pós graduação em História e Mestrado em Educação. Atuei como professor por 15 anos em cursos como História, Matemática, letras, arquitetura, enfermagem, Artes visuais, Psicologia, Engenharia de materiais, Pedagogia, Administração comercio Exterior e Direito.