Entre cestas e fintas, jovens desenvolvem potencial em treinos de basquete em Turvo

As terças e quintas-feiras são os dias favoritos da semana para o jovem Marco André de Jesus Burin. Aos 15 anos, ele é um dos participantes dos treinos gratuitos...

Esportes
Por: Colunista Esportes
basquete1

As terças e quintas-feiras são os dias favoritos da semana para o jovem Marco André de Jesus Burin. Aos 15 anos, ele é um dos participantes dos treinos gratuitos de basquete em Turvo. Sob o comando da professora Maria Eliane da Silva, ele e seus companheiros de time praticam fintas, passes, bandejas e lances livres.

“Eu estava treinando futebol e anunciaram que teriam treinos do basquete. Depois disto, eu sempre aparecia para perguntar quando começariam os treinos. Antes, eu brincava com os meus amigos e conhecia algumas regras que pesquisei em casa. Já nos treinos, eu aprendi os fundamentos, a passar a bola, fazer bandeja e atuar em equipe”, contou.

Mas, o interesse de Marco pela modalidade é bastante antigo. “Eu gosto do esporte desde pequeno. Assisto jogos da NBA e NBB (Novo Basquete Brasil), sempre joguei com os amigos e acabei me interessando por causa da minha altura. Agora, os dias dos treinos são os mais legais da semana. Eu amo jogar basquete”, confessou o jovem.

Trabalho de base e potencial esportivo

Atualmente, a professora Eliane trabalha com cerca de 15 atletas, mas mantém as portas abertas para garotos e garotas de todas as idades. “Estamos fazendo um trabalho de base a médio e longo prazo. Nos treinos, nós priorizamos os fundamentos do esporte, regras e trabalho em equipe. E quem quiser vir treinar será muito bem-vindo”, salientou.

No momento, a técnica se ocupa com os últimos trabalhos para a estreia nos Jogos Escolares na Região do Vale do Araranguá (JERVA). “A maioria dos atletas está indo para a sua primeira competição. São novos e não tinham um contato com esporte de rendimento, mas evoluíram bastante desde o começo dos treinos”, declarou.

Embora a técnica mantenha o foco na experiência dos atletas em quadra, Marco André está otimista. “Será o nosso grande desafio e vamos tentar ganhar. Queremos pegar experiência porque a nossa equipe é nova, mas temos muito potencial de crescimento, estamos unidos e bem entrosados. Nós nos entendemos bem como companheiros de time e amigos”, concluiu o jovem turvense.

basquete

basquete2

basquete3

Cristina Possamai

Natural de Turvo (SC). Jornalista formada. Aficionada pelo mundo do esporte com experiência na cobertura do Criciúma nas séries A, B e C do Brasileirão. Participação na área de Operações de Imprensa na Arena da Baixada (Curitiba) durante a Copa do Mundo de 2014 e atuação nas Olimpíadas do Rio 2016 no Maracanã e no Estádio Nilton Santos.