Dia dos pais, importância e significado

Para além dos interesses comerciais a comemoração do dia dos pais nos remete ao fortalecimento dos laços de família ao mesmo tempo que se homenageia a importância do pai...

Geral
Por: Colunista Geral
IMG-20180812-WA0101

Para além dos interesses comerciais a comemoração do dia dos pais nos remete ao fortalecimento dos laços de família ao mesmo tempo que se homenageia a importância do pai enquanto sustentáculo da família desde os seus primórdios. Na tradição histórica a celebração do Dia dos Pais nasceu a partir da norte-americana Sonora Louise Smart, filha do veterano da Guerra Civil William Smart, que criou sozinho os seis filhos após o falecimento da sua esposa. Em 1909, ela propôs a idéia à Associação Ministerial de Spokane, cidade localizada no Estado de Washington. No ano seguinte em 1910 a 19 de junho, foi comemorado o primeiro Dia dos Pais. Décadas depois, em 1966, o presidente Lyndon Johnson proclamou o terceiro domingo de junho como o Dia dos Pais. Com efeito alguns países a exemplo do EUA comemoram este dia no mês
de junho, enquanto que na Europa cristã vários países comemoram em 19 de março em consonância como o dia de São José Pai de Jesus. No Brasil, pela primeira vez foi comemorado em 16 de Agosto de 1953; Associou-se esta data de agosto a São Joaquim, pai de Maria a mãe de Jesus. posteriormente visando mais interesses comerciais a data foi alterada para o segundo domingo de agosto a qual prevalece até os dias atuais. Adentrando nossa história, vemos que no período colonial predominou o sistema do patriarcado ou Pater Famílias, no qual a figura paterna detinha enorme importância e poder, sendo o pai de família responsável pela vida e pela morte de todos os que estivessem sob seus desígnios; Desta forma toda a família incluindo esposa e filhos bem como seus escravos estavam diretamente subordinados as ordens paternas. Tamanho poder, também exigia da figura do pai igual responsabilidade principalmente no que tangia a sustentação econômica para toda a família. Com o advento da modernidade em face as conquistas das mulheres estas responsabilidades hoje em grande parte da sociedade mundial são divididas entre o pai, a mãe e os filhos; com as possibilidades de mercado de trabalho abertas para a mulher atingiu-se um certo equilíbrio no empoderamento familiar com tomadas de decisões conjuntas entre os pais, mães e filhos. Do aspecto religioso herdamos a figura do pai a partir do arquétipo Deus- Pai como protetor, cuidador e sempre preocupado como seus filhos. Na tradição judaica tanto os patriarcas, assim como os profetas, os juízes e Reis simbolizavam o poder e a responsabilidade como verdadeiros pais do povo. Já no cristianismo Jesus chama Deus de pai de amor e bondade preocupado em resgatar todos os seus filhos, exemplo este bem tipificado na parábola do Filho Pródigo e da ovelha perdida. São José pai de Jesus, embora não sendo pai biológico, representa o modelo máximo de paternidade responsável em todos os sentidos, material, moral e espiritual.A parte católica do cristianismo tem no Papa(Pai da Igreja) o líder maior representante do primeiro Papa da Igreja, São Pedro. Também na parte católica temos aqueles que receberam o sacramento da ordem e portanto são chamados de padres,que em tese tem o mesmo significado de pastor líder, ou seja aquele que guia seu rebanho ou filhos como um verdadeiro pai. Grandes vultos da humanidade conforme suas áreas de atuação recebem a titulação de pais, como por exemplo ” pai da medicina, pai da história, pai da aviação, pai da dramaturgia, pai do cinema, pai da computação, pai dos pobres e por aí vai. Por tudo isto e muito mais, a Palavra pai carrega em sua essência todo o peso e a tradição que a história lhe conferiu. Só nos resta parabenizar a todos os pais que assumiram a paternidade de fato, sejam estes pais, homens ou mulheres, avós ou padrastos e às vezes um irmão mais velho, mas que diante da árdua e sublime missão não negligenciaram em cumprir seu papel com responsabilidade e amor!! Então parabéns a todos os pais!!

Fontes (Bíblia sagrada, Site terra, fontes Orais)

José Pedro Idalino

Eu sou o professor Jose Pedro Idalino, e sou natural de Turvo, filho da capital Turvo Baixo. De 1979 a 1985 fui seminarista da Ordem dos servos de Maria. Me formei na PUC do Paraná em 1987 com licenciatura em Filosofia e bacharelado em História e psicologia. Iniciei minha carreira de professor, começando no Pedro Simon em Ermo depois Jorge Shultz e colégio estadual de Turvo atual EEB Joao Colodel, no qual estou a 29 anos e hoje atuo na direção do Colégio pela segunda vez. Trabalhei como professor também em escolas particulares como Objetivo, Energia e Universidades como Unisul, Unibave e Unesc. Na Unesc fiz pós graduação em História e Mestrado em Educação. Atuei como professor por 15 anos em cursos como História, Matemática, letras, arquitetura, enfermagem, Artes visuais, Psicologia, Engenharia de materiais, Pedagogia, Administração comercio Exterior e Direito.