As Bem-aventuranças e o seu reverso

Considerado o ponto mais alto dos ensinamentos de Jesus, e também uma síntese de sua doutrina, o Sermão da Montanha demanda um preceito ético que transcende o cristianismo e...

Geral
Por: Colunista Geral
IMG-20190414-WA0097

Considerado o ponto mais alto dos ensinamentos de Jesus, e também uma síntese de sua doutrina, o Sermão da Montanha demanda um preceito ético que transcende o cristianismo e se entrelaça com os preceitos superiores das principais religiões da terra. Alguns escritores acham estranho que embora sendo o cerne dos ensinamentos de Jesus, as Bem-aventuranças só apareçam nos evangelhos de Mateus e Lucas sendo ignorado nos evangelistas Marcos e João. Eis portanto as pérolas de sabedoria a partir do evangelho de Mateus e o seu reverso a partir do escritor Conde de Aydin:
– ” Bem-aventurados os que tem espírito de pobre(e não pobres de espírito, segundo Humberto Rohden), porque deles é o reino dos céus! Bem-aventurados os que choram porque serão consolados! Bem-aventurados os pacíficos(pois a palavra manso possui conotação pejorativa) porque herdarão a terra! Bem-aventurados os que tem fome e sede de justiça, porque serão saciados! Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia! Bem-aventurados os que tem coração puro, porque verão a Deus! Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus! Bem-aventurados os que são perseguidos por amor da justiça, porque deles é o reino dos céus! Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande vossa recompensa nos céus, pois assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós!” O reverso deste sermão segundo Aydin ficaria assim:
– “Mal-aventurados os que tem espírito de rico(os pobres de espírito), porque deles não é o reino dos céus. Mal-aventurados os briguentos, porque eles não possuirão a terra. Mal-aventurados os que praticam a injustiça, porque serão justiçados. Mal-aventurados os impiedosos, porque não alcançarão piedade. Mal-aventurados os que tem coração impuro, porque não verão a Deus. Mal-aventurados os fazedores de guerras, porque não serão chamados filhos de Deus. Mal-aventurados os que perseguem os justos, porque estes alcançarão o reino dos céus, enquanto estes ficarão de fora. Mal-aventurados sereis quando caluniardes, quando perseguirdes e disserdes falsamente todo o mal contra aqueles que me seguem. Entristecei-vos e desesperai, porque será grande o vosso castigo no inferno, pois assim aconteceu àqueles que perseguiram os profetas que vieram antes de vós!
Portanto temos dois caminhos a seguir segundo o mestre Jesus; um é estreito, apertado e difícil, porém conduz a vida eterna. O outro é largo, espaçoso e aparentemente fácil, todavia conduz a perdição. Jesus nos alerta neste sermão que a escolha é nossa; o aperfeiçoamento do nosso Eu pelo caminho da reta justiça, do reto agir e do amor incondicional realmente não é fácil, pois a tentação de conquistar o poder, as riquezas e facilidades deste mundo é grande, e por isso o mestre já sentenciava que muitos são os chamados, mas poucos são escolhidos. Ao fazermos nossa escolha pelo caminho do bem, automaticamente estaremos no rol dos escolhidos; o sofrimento e a angústia poderão recair sobre nós, porém a recompensa também é certa! Este foi o último domingo da quaresma e a próxima semana o cristianismo revive toda experiência do seu fundador máximo na pessoa de Jesus Cristo; Aquele que pretende segui-lo não pode ignorar o belo sermão da montanha e os ensinamentos sagrados das Bem-aventuranças! Não importa o calvário, pois o ponto de chegada é a Páscoa da ressurreição!!

Fontes ( Novo Testamento: Mateus e Lucas; O sermão da Montanha-Humberto Rohden; Os mistérios da vida de Jesus- Conde de Aydin)

José Pedro Idalino

Eu sou o professor Jose Pedro Idalino, e sou natural de Turvo, filho da capital Turvo Baixo. De 1979 a 1985 fui seminarista da Ordem dos servos de Maria. Me formei na PUC do Paraná em 1987 com licenciatura em Filosofia e bacharelado em História e psicologia. Iniciei minha carreira de professor, começando no Pedro Simon em Ermo depois Jorge Shultz e colégio estadual de Turvo atual EEB Joao Colodel, no qual estou a 29 anos e hoje atuo na direção do Colégio pela segunda vez. Trabalhei como professor também em escolas particulares como Objetivo, Energia e Universidades como Unisul, Unibave e Unesc. Na Unesc fiz pós graduação em História e Mestrado em Educação. Atuei como professor por 15 anos em cursos como História, Matemática, letras, arquitetura, enfermagem, Artes visuais, Psicologia, Engenharia de materiais, Pedagogia, Administração comercio Exterior e Direito.